quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Livros novos na Biblioteca Escolar

Quer saber que livros deram entrada na BE no último ano? Aceda ao ficheiro e conheça as novidades de 2019 até ao presente!

 

Atualização em 24 de setembro de 2020

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Bom ano letivo, com novas leituras!

 A  Biblioteca Escolar inicia o ano letivo 2020-2021 com novos títulos! 

Ilustração de David Pintor
Ilustração de David Pintor

Com o financiamento do programa "10 minutos a ler", pelo Plano Nacional de Leitura, e do projeto "Leituras...com a biblioteca", pela Rede de Bibliotecas Escolares, apetrechámos a nossa Biblioteca Escolar com livros que farão as delícias de todos. 

Contos de terror, romances, ciência, pequenas biografias ilustradas..., há uma diversidade de títulos tentadores para todos os que vão recomeçar a atividade diária de "10 minutos a ler".

Entretanto, a BE deseja a toda a comunidade educativa um ano proveitoso e boas leituras! 

quinta-feira, 16 de julho de 2020

Prioridades 2020-21

Considerando o ano letivo de 2019-2020, de muito e difícil trabalho, estamos agora em condições de perspetivar o próximo ano, definindo prioridades e domínios de atuação das bibliotecas escolares, em articulação com os docentes, no ensino presencial, misto e à distância.
Divulgam-se as prioridades estabelecidas pela Rede de Bibliotecas Escolares no seu portal.

segunda-feira, 22 de junho de 2020

Gazeta de Lisboa

Publica-se uma crónica de Rafael Neto, aluno do 8ºC da professora Teresa Leitão (História):



Escrita livre

Estátua de Mário de Sá-Carneiro, Parque dos Poetas, Oeiras
No seu Plano à distância, a Biblioteca Escolar propunha-se publicar textos e trabalhos de alunos, como, aliás, já tem feito.
Desta vez, a professora Ana Paula Lopes sugeriu a publicação de um texto de opinião sobre a COVID-19 e dois comentários a poemas de que os seus alunos adolescentes tivessem gostado.

O resultado pode ser visto aqui, aqui e
aqui


Urgentemente, de Eugénio de Andrade



Estátua de Eugénio de Andrade, Parque dos Poetas, Oeiras



É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.


Eugénio de Andrade



Este poema faz-me sentir pensativa, pois relembra-me o nosso dia a dia, que é feito de ódio e amor ao mesmo tempo. Como o sujeito poético diz, a nossa humanidade tem que aprender a deixar os conflitos para trás e começar a unir-se mais e a espalhar mais amor, só assim poderemos encontrar o caminho para a felicidade.
Fico a pensar se algum dia a crueldade irá acabar de vez e se as pessoas vão deixar de ser pessimistas e más para com outras. 
Este poema é como se fosse um apelo à harmonia, o poeta deseja “urgentemente” que deixemos de criar dias cinzentos e comecemos a encarar a vida de uma forma mais feliz.

Comentário de Bruna Inácio, 8ºA

O recreio, de Mário de Sá-Carneiro


Imagem de https://www.publicdomainpictures.net/pt/view-image.php?image=30591&picture=baloico-velho

Na minha Alma há um balouço
Que está sempre a balouçar ---
Balouço à beira dum poço,
Bem difícil de montar...
- E um menino de bibe
Sobre ele sempre a brincar...
Se a corda se parte um dia
(E já vai estando esgarçada),
Era uma vez a folia:
Morre a criança afogada...
- Cá por mim não mudo a corda,
Seria grande estopada...
Se o indez morre, deixá-lo...
Mais vale morrer de bibe
Que de casaca... Deixá-lo
Balouçar-se enquanto vive...
- Mudar a corda era fácil...
Tal ideia nunca tive...
                       Mário de Sá-Carneiro


Este poema lembra-me a minha infância e os tempos em que eu brincava e tinha vestido o bibe do meu colégio. Faz-me sentir feliz por recordar esses momentos e faz-me também sentir muitas saudades. Desejo sentir sempre uma criança no meu interior, assim como o autor do poema, uma vez que a minha infância está associada a sentimentos muito positivos como a alegria, a liberdade, o amor, o carinho, a diversão.
Comentário de Guilherme Pereira, 8º C 

A natureza e a Covid-19 - Texto de opinião

Imagem de https://pixabay.com/pt/photos/natureza-montanha-lago-paisagem-3590885/



O coronavírus mudou muitos dos nossos hábitos de vida. O facto de ter alterado o dia-a-dia do homem levou a que a fauna e a flora se alterassem também, de uma forma positiva.
Como estou isolada e com mais tempo para pensar, acabo por gastar grande parte do meu tempo a divagar em pensamentos sobre este tema e cada vez sinto mais saudades da natureza. A natureza é um elemento essencial na nossa vida e só quando sentimos a sua ausência é que entendemos o quão importante ela é no nosso dia-a-dia.
Apesar da diferença que se tem sentido em ter de respirar pela janela ao invés de estar ao ar livre, o que é angustiante, isto também trouxe as suas vantagens. Com o confinamento, houve menos movimentação de carros pelas estradas e muitas fábricas fizeram uma pausa na produção, o que provocou uma diminuição da poluição, ajudando na diminuição do buraco da camada de ozono.
Podemos concluir que esta pandemia, que nos levou ao confinamento, para o qual ninguém estava preparado, também nos trouxe o rejuvenescer do planeta Terra. Neste momento é viver um dia de cada vez e adaptarmos a nossa rotina a esta pandemia, pois esta também trouxe os seus benefícios à nossa casa.



Texto de opinião da aluna Sara Gonçalves (8ºA)

Contos de alunos premiados

Escritora Isabela Figueiredo e 8ºA em março na ESARS

No início de março, os alunos do 8ºA participaram num encontro com a escritora Isabela Figueiredo, atividade inserida na comemoração da Semana da Leitura.
Foi-lhes lançado o repto de, em grupo, construírem contos, que seriam lidos e comentados pela autora de A gorda. Às três melhores narrativas seriam atribuídos prémios simbólicos.

Entretanto, as escolas encerraram devido ao estado pandémico por COViD-19 e, com o decretar de estado de calamidade e sucessivo estado de emergência, as atenções recaíram sobretudo sobre o ensino à distância.
Passados estes meses de impacto, foi finalmente marcada uma sessão online com a escritora, para dialogar com os alunos sobre os seus contos, entretanto corrigidos e aperfeiçoados.
Infelizmente, um imponderável levou à ausência de Isabela Figueiredo. A videoconferência aconteceu, ainda assim, dinamizada pela professora bibliotecária da ESARS, que corrigira os textos, ora publicados neste blogue:

Ler a pé - 1º prémio de Escrita Criativa, de Sara Gonçalves, João Marquês, Yann Lima e João Horta;

Cristiano Ronaldo na Amora - 2º prémio de Escrita Criativa, de Tatiana Santos, Luana Pinto, Maria Quintal, Francisco Pereira e Mariana Galvão;


Jessie - 3º prémio de Escrita Criativa, de Catarina Afonso, Gabriel Matias e Rafael Silva



Além dos alunos, estiveram presentes as professoras Ana Paula Lopes, de português, e Gabriela Alves, diretora de turma do 8ºA.

Incitados a comentar o encontro com a escritora, todos manifestaram ter sido um momento marcante nas suas vidas:

"Eu acho que foi bom. Foi uma oportunidade única. Foi uma experiência só nossa", referiu o João Horta, coautor do texto vencedor do 1º prémio.

"Foi engraçado porque eu nunca tinha visto uma autora tão famosa", declarou outro aluno.

"Consegui melhorar a minha escrita", confessou a Sara, que sonha continuar a escrever.

Para todos, a professora de português pensa ter sido uma experiência gratificante.

Obrigada à escritora e parabéns aos vencedores! E não se esqueçam das palavras do Nobel da Literatura português, José Saramago: "é preciso ser bom leitor, para ser bom escritor".
   

Ler a pé - 1º prémio de Escrita Criativa

Eu tinha acordado, estava a ser um dia como todos os outros e, como sempre, acordei atrasado para o trabalho. Assim que cheguei tinha uma grande parte dos meus colegas a reclamar que o chefe queria falar comigo quanto antes. Subi pelo elevador e, a cada segundo que passava, mais nervoso ficava. Será que vou ser demitido? Arranjaram alguém melhor que eu? - estava eu a pensar. Os meus atrasos já eram uma rotina diária e todos diziam que qualquer dia iria ter as consequências.
O meu chefe, Luís Silva, abriu-me a porta bastante sorridente, tudo menos o que eu esperava. Começou a dizer que tinha uma proposta para mim e da qual poderia depender o meu emprego.
- É bastante simples, Tiago, vais a uma escola do Seixal e vais falar com uma aluna chamada Catarina, do oitavo ano, turma A.
- Oitavo ano?! - exclamei – ou ela tem super poderes para ser reconhecida pelo senhor ou não sei.
- Deixa-me acabar de falar. Ela mandou um currículo para representar o projeto “Microsoft Teen”, lembras-te de te ter falado do projeto? Ela parece ser aquilo que nós procuramos. Para além de determinada, entende bastante de programação para a sua idade.
Imagem de https://commons.wikimedia.org/wiki/File:TIC-en-Educacion1.jpg

Enquanto passava pela ponte lembrei-me que a esteticista da minha rua, a melhor amiga de todas as mulheres, era desta zona e então mantive a minha mente calma e pensei positivamente. Pelo que me lembro, a escola de Catarina pareceu-me um pouco velha pois a tinta cor-de-rosa dos pavilhões estava a ficar branca e as portas já gritavam por óleo.
Quando entrei na sala B13 vi imensos miúdos e nenhum parecia ser a grande Catarina de que Luís falava. Fiz o meu discurso o mais claro possível e no final pedi para falar com a Catarina noutro local. Lembro-me da cara de espanto do resto dos alunos e começaram a gritar e a bater na mesa, pareciam animais! Quando pude olhar um pouco mais para ela, notei que os seus olhos negros naquele momento estavam a brilhar de alegria.
- Catarina, isto não é nenhuma brincadeira. Espero que sejas menina suficiente para representar um futuro projeto que, se tudo correr bem, terá muito sucesso.
E no momento em que ela começou a falar, caiu-me a ficha:
- Muito obrigada pela oportunidade! Tenho a certeza de que estou à altura deste projeto para levá-lo para a frente.
Ela era muito bem-educada e calma a falar. E para ser sincero, estava a fazer um discurso mais coerente que muitos colegas meus nas suas entrevistas de emprego.
- Então é bastante simples. Tal como fizeste no vídeo que mandaste à empresa, vais criar de novo um aplicativo da forma que quiseres. As únicas regras é que tem de ser para crianças entre os 10 e os 15 anos. Essa poderá ser a primeira aplicação do Microsoft Teen, se tudo correr bem.
Fomos para uma sala de TIC, eu sentei-me numa secretária ao lado da dela e informei que se ela precisasse de ajuda eu não a poderia dar pois isto era como um exame da escola. Ela determinada confessou:
- Tenho a certeza de que sozinha irei conseguir, pode ficar descansado e ver um filme na Netflix- e rimo-nos os dois.

Imagem de https://zh.m.wikipedia.org/wiki/File:Diary_of_Anne_Frank_28_sep_1942.jpg

Passou-se uma hora e meia e a aplicação já estava criada e com um logótipo atrativo. A “Ler a pé” tinha como objetivo os adolescentes andarem, por exemplo, 100 metros e só depois recebiam o capítulo seguinte. No meu caso, escolhi o livro Diário de Anne Frank, um dos livros favoritos da minha adolescência, e tive que andar 250 metros para receber mais 70 páginas e continuar a ler. Para além de poder vir a incentivar os adolescentes a ler mais diariamente, também é um aplicativo adequado a outras idades, como a idade adulta.
O Luís adorou a ideia e quis pô-la logo em prática quanto antes. Quis conhecer a grande artista e passado algum tempo ela já estava a ter algumas reuniões com ele (ela continua a ser uma adolescente e não merece ter a vida de adulto por isso até foram poucas reuniões).
Atualmente, ela irá ser a “trabalhadora do mês” pela quarta vez consecutiva e chegou a um nível de empenho e sucesso a que muitos ainda não chegaram e tenho muito prazer em trabalhar com ela e considerá-la uma amiga.

Sara Gonçalves, João Marquês, Yann Lima e João Horta 

(8ºA)